J'ai Tant Escamoté (tradução)

Original


Zaz

Compositor: Não Disponível

Eu escamoteei tanto, o ângulo dos parapeitos
Os meus inevitáveis e os meus indomáveis
Dedicado as minhas noites, e levantado os pulsos
Nos contadores reluzentes de poças incontáveis
Tristezas sem maré, mentiras ultrapassadas
Pântanos de promessas, eu não quero mais
Simplesmente desaparece, o sabor do sobrevivente
E os álibis, eu me desacostumo

E que intoxica minhas veias sedentas
Eu te tenro minha camisa, dobro minha calça
Estou nu como um verme, diz que me encho de inverno
Esta tentação louca, que congela os meus arrepios

Os faróis sem luz, eu desliguei
E gravado na minha carne de couro desesperado
A tinta das minhas quimeras, dos seus beijos
Secas nos sulcos da minha identidade
Fugitivas sem fronteiras, obtusos abrigos
O alfabeto do breviário, não, eu não quero mais
Confesso à minha cerveja todos estes mal-entendidos
Admito à feira o meu paraíso perdido

E que intoxica minhas veias sedentas
Eu te tenro minha camisa, dobro minha calça
Estou nu como um verme, diz que me encho de inverno
Esta tentação louca, que congela os meus arrepios

Eu escamoteei tanto o anjo da minha liberdade
Os meus inevitáveis e os meus indomáveis
Os ângulos do céu, os de caridade
Leia em meus olhos a aurora intransponível
Fragmentos das minhas lágrimas, meu coração lascado
Da respiração e do seu lapso, não, eu não quero isso
Eu dissolvei minha ausência, eu renascia em silêncio
Eu fecho tudo contra mim, o santo do chaveiro

E que intoxica minhas veias sedentas
Eu te tenro minha camisa, dobro minha calça
Estou nu como um verme, diz que me encho de inverno
Esta tentação louca, que congela os meus arrepios
E que intoxica minhas veias sedentas
Eu te tenro minha camisa, livro de liberdade
Eu abandono o inverno, deixo ao abandono
Esta tentação louca que congela meus calafrios

©2003- 2018 lyrics.com.br · Aviso Legal · Política de Privacidade · Fale Conosco desenvolvido por Studio Sol Comunicação Digital